quinta-feira, 31 de dezembro de 2009

O CULTO PENTECOSTAL QUE NÃO DEU CERTO




Caramuru Afonso Francisco*


Texto bíblico - I Cr. 13:1-14



O presente texto bíblico é um dos trechos que mais me intrigam em todas as Escrituras Sagradas. Com efeito, ao lê-lo, temos a nítida impressão de que Deus foi em demasiado cruel para com um simples e bem-intencionado homem, chamado Uzá, sem se falar no estrago que
fez ao rei Davi precisamente quando estava ele, em total consideração e zelo para com o Senhor e, precisamente, com a mais expressiva mostra da presença de Deus no meio do povo de Israel, a saber, a arca do concerto.
Todavia, como veremos na presente meditação, tal impressão é somente uma aparência, um reflexo dos conceitos humanos e da lógica que, muitas vezes, permeia a nossa mente quando estamos a estudar as Escrituras, conduta que deve ser, ao máximo, evitada, porquanto, como afirma o profeta, " assim como os céus são mais altos do que a terra, assim são os meus caminhos mais altos do que os vossos caminhos, e os meus pensamentos mais altos do que os vossos pensamentos" (Is.55:9).
Revela este trecho da palavra do Senhor que Davi, o grande rei de Israel, o conquistador , o vencedor de tantas batalhas, continuava a ser o mesmo homem segundo o coração de Deus que, desde sua juventude, havia agradado ao Senhor.
Mesmo diante de tamanho êxito em seu reinado, Davi não se esquecia dos seus compromissos com o Senhor e estava incomodado com a situação em que se encontrava a arca do concerto do Senhor.
Com efeito, a arca, que era o símbolo da presença de Deus no meio do povo de Israel, estava esquecida, abandonada, desprezada em Quiriate-Jearim, cidade da tribo de Judá.
Desde os tempos do juiz Eli, quando o povo havia levado, imprudentemente a arca para a guerra, pensando que ela, por si só, pudesse trazer a vitória para o povo, ocasião em que foi a arca tomada pelos filisteus e depois devolvida após imenso sofrimento que sua presença causara entre eles, tradicionais inimigos dos judeus, a arca fora deixada num segundo plano para os israelitas.
Era ela, sem dúvida, a lembrança de que o povo deveria seguir fielmente os caminhos do Senhor, que o Senhor não tinha compromisso senão com a Sua Palavra, que não era um amuleto, um ícone que tivesse força por si só, mas tão somente um símbolo do compromisso que Israel e Deus haviam feito ainda no deserto.
A arca era um incömodo para o povo. Era a demonstração clarevidente de que Deus é fiel a Sua Palavra e não ao homem, que Deus é o mesmo, não muda, nEle não há sombra nem mudança de variação e que o home deve estar sempre, persistente e perserverantemente conforme à Sua vontade para que possa ter vitória.
Um tal símbolo não teria, mesmo, a popularidade ou um lugar de proeminência no meio de um povo que vivia de aparência e que se esforçava em nela viver.
Aliás, não tinha sido este povo quem escolhera a Saul pela sua aparência, por ser um homem mais alto do que qualquer outro de Israel ?
Não era este povo quem decide se submeter a Davia somente quando verifica ser ele o que venceu o campeão Golias e, mais do que isto, depois da morte de Saul, a quem ajudaram a perseguir Davi, mesmo depois das vitórias que este trouxe a Israel ?
Sim, um povo como este não iria dar lugar algum de proeminência a um objeto tão incômodo, que relembrasse a responsabilidade e, mais, as falhas e o superficialismo de um povo obstinado como era Israel.
Daí porque, nos dias de Saul, ninguém havia se importado em buscar a arca, em buscar para um lugar devido a arca do concerto do Senhor.
A situação de desprezo era tanta que a arca nem ao menos se encontrava no tabernáculo, na tenda da congregação.
Como podemos bem verificar, neste tempo, a tenda da congregação, o tabernáculo se encontrava edificado em Nobe, conforme I Sm.21, enquanto que a arca permanecia em Quiriate-Jearim, para onde fora levada após ter sido devolvida pelos filisteus, ainda nos tempos de Eli.
Entretanto, esta situação de indiferença, de desprezo para com a aliança com Deus não iria perdurar mais.
Assim que confirmado no reino, Davi revela que continuava a ser aquele jovem segundo o coração de Deus e, como primeira medida de seu promissor reino, chama a todos os anciãos e os capitães para chamá-los à responsabilidade e os conscientizar da necessidade de se trazer a arca do concerto para Jerusalém, para a capital, ou seja, da necessidade de retomar o compromisso do povo para com Deus, de tornar a pôr a aliança com Deus como o centro das preocupações e da vida nacional.
Davi não fez uma imposição, agindo como se fosse simplesmente o rei de Israel, mas procurou demonstrar a todo o povo que lhes era necessário dar o devido lugar ao Senhor em sua vida cotidiana.
Por isso Davi era um homem segundo o coração de Deus: não tinha o propósito de fazer valer seu poder, sua posição em detrimento da vontade alheia, mas queria levar o povo a se decidir, por sua própria vontade, por seu livre-arbítrio, a render a Deus o primeiro lugar em suas vidas, a cumprir o primeiro mandamento da lei, que era precisamente o de amar a Deus sobre todas as coisas.
Daí porque Davi convocou o conselho dos capitães e anciãos, com o fim de persuadi-los da necessidade de serem cumpridores da lei do Senhor. É esta atitude de persuasão, é esta disposição de mostrar a Deus como o necessário centro de nossas vidas que Deus exige, hodiernamente, de Sua Igreja, cuja tarefa primordial é, precisamente, esta atividade.
Propôs, então, o piedoso rei que se juntassem os sacerdotes e os levitas para que, juntamente com o exército, trouxessem a arca de Quiriate-Jearim para Jerusalém, propositura que foi aceita unanimemente, de plano, pois o povo achou que o negócio era reto, ou seja, era direito.
Começa aqui a tragédia em que se converteu esta ação.
O povo aceitou a proposta do rei, mas porque lhe parecia reta, porque lhe parecia direita aos seus próprios olhos.
O povo não demonstrava arrependimento por ter deixado a arca abandonada e desprezada numa pequena cidade da tribo de Judá, longe até dos demais artefatos da tenda da congregação.
O povo também não estava lamentando a atitude de ter deixado de buscar a arca, ou seja, de não ter dado o devido valor à aliança com Deus e ao pacto estabelecido entre Deus e Israel nos dias de Saul, mas porque achou justo aos seus próprios olhos atender ao desejo do rei, decidiu inicar esta empresa.
Quais são os motivos pelos quais estamos aparentemente servindo a Deus ?
Se estamos a executar tarefas e empresas, às vezes penosas e tão meritórias, como era o de levar a arca do concerto para Jerusalém, apenas para saciar nosso "ego", apenas para satisfazer a nossa justiça, apenas para nos fazer sentir, ainda mais esta vez a nossa auto-suficiência, saibamos que isto somente trará a um fracasso, isto apenas servirá para gasto de nossos recursos, de nosso tempo, sem que haja qualquer resultado efetivo na obra de Deus.
Davi estava imbuído de um desejo sincero e agradável a Deus, não tendo querido, ainda em conformidade com a vontade do Senhor, impô-lo ao povo, mas tendo querido repartir a consciência da importância desta medida com seus capitães e, posteriormente, com os sacerdotes e levitas, mas, lamentavelmente, obtivera um consenso que não se enquadrava nas regras e diretrizes desejadas: o povo concordara, sim, em trazer a arca para Jerusalém com toda pompa e circunstância, mas porque isto lhe parecia justo, reto, aos seus próprios olhos, porque isto lhes fazia sentir corretos, santos. Porque isto lhes agradava, não porque iria agradar a Deus.
Triste coisa é para o cristão quando seus passos passam a ser dados para seu próprio auto-agrado, para satisfação de sua auto-suficiência e não para o Senhor. Deste momento para diante, o cristão não terá outro destino senão a tragédia, a morte, o fracasso. Que Deus nos guarde de assim agirmos e que nossa prática seja conforme a oração que o Senhor nos ensinou e que pös em prática no Getsemane: " Que a Tua vontade se faça assim na terra como no céu".
Tenhamos a visão de Deus e não a nossa própria visão. É por isso que o apóstolo Paulo nos alerta para que andemos por fé e não por vista (II Co.5:7), precisamente porque a fé é dom de Deus (Ef.2:8), enquanto que os nossos olhos, estes sim, são o nosso "eu" (Mt.7:3, Lc.6:41, Mc.10:47).
Faz-se mister que não vejamos com os nossos olhos, ou seja, que não nos deixemos levar pela nossa lógica, pelos nossos preconceitos, pela nossa cultura. As coisas espirituais se discernem espiritualmente e não podemos tentar entender estas coisas pelo caminho natural, pela cultura, pelos preconceitos, pela lógica humana.
É, realmente, um dos grandes males, senao o maior mal na vida cristã do dia-a-dia o impregnar da mente natural nas coisas espirituais.
Devemos servir a Deus com a mente de Cristo, porque só ela pode fazer-nos discernir as coisas espirituais (I Co.2:12-16).
Quando passamos a nos utilizar de coisas naturais, da mente natural para falarmos das coisas espirituais, enveredamo-nos pelo mesmo caminho que o povo de Israel estava a trilhar nesta passagem bíblica.
Passamos a querer conformar a Palavra de Deus, que é a revelação de Deus aos homens, aos nossos conceitos, aos nossos parâmetros e, a partir de então, iniciamos um desvio que nos conduzirá, certamente, à morte espiritual, à separação inevitável do Senhor.
Não há outro destino para quem quiser conformar Deus a seus conceitos e a seus parâmetros. Tal atitude revela apenas uma auto-deificação, que outra xonseqûëncia terá senão o distanciamento do Espírito Santo, cuja única função é a glorificação de Cristo e de nenhum outro ser (cf. Jo.16:14).
Este povo, entretanto, não quis reconhecer seus erros, seus pecados, sua inobservância do primeiro mandamento da Lei, mas entendeu que o gesto de trazer a arca do concerto para Jerusalém seria uma atitude simpática, demonstradora ao povo de uma profunda devoção e, sobretudo, estar-se-ia agradando o rei, que agora estava no mais completo controle da situação política do reino.
Mas o Senhor Deus de Israel conhecia o profundo dos corações, sabia das reais intenções de Seu povo e continuava a observar os seus gestos e seus preparativos, certo de que, ao contrário do rei, que não tinha tal discernimento, muito breve Deus mostraria a verdade, que era bem diferente do que as aparências indicavam.
Tomada a decisão de trazer a arca para Jerusalém, determinou Davi que todo o povo se ajuntasse em Quiriate-Jearim (cujo nome antigo era Baalá-Js.15:9), precisamente o local onde havia sido a arca deixada após a devolução dos filisteus (I Sm.7:1) e ali deixada por aproximadamente 100 anos, já que Samuel renovou o pacto com o povo quando ela ali estava já há 20 anos e Saul reinou 40 anos sobre Israel, sendo que Samuel deve ter governado por 40 anos antes de constituir a Saul.
Este gesto de Davi demonstrava bem as suas intenções : queria que o povo sentisse o drama do desprezo, do abandono, da falta de prioridade para as coisas de Deus a fim de que jamais tornasse a praticar algo semelhante.
É preciso, quando tomamos o propósito de retomar a caminhada com Deus, de irmos até o local onde caímos para dali em diante, cientes de nossos erros, verdadeiramente arrependidos, passarmos a Ter uma vida nova com o Senhor, humildes, reverentes, conscientes de nossos erros passados, para não mais repeti-los. Foi, precisamente, o que o Senhor recomendou à igreja de Éfeso, em sua carta registrada no livro de Apocalipse (Ap.2:5).
Devemos nos lembrar de onde caímos para que, levantados pelo Senhor, prossigamos, arrependidos e perdoados, a nossa caminhada com Deus.
Muitos querem se desviar do local da queda, alegam ter traumas, não ser justo retornaram ali, ser isto um constrangimento, ser esta uma exigência que busca antes humilhar e trazer vergonha ao caído, não havendo nisto qualquer edificação ou propósito, motivo pelo qual relutam em aceitar tal determinação divina.
Contudo, não é com o propósito de trazer vergonha ou constrangimento que o Senhor nos convida, mais do que nos convida, exige que nos lembremos de onde caímos. Trata-se de uma exigência que revela, precisamente, a sinceridade de nossos propósitos, de nossas intenções, de nossa conversão: se nos humilhamos, se aceitamos que erramos e em que erramos, damos a prova indelével de que estamos arrependidos, de que reconhecemos a soberania do Senhor e Sua infinita misericórdia e, portanto, que estamos realmente prontos a reiniciar a caminhada, certos de que nada podemos fazer sem o Senhor.
Quem resiste à ordem do Senhor revela apenas prepotência, auto-suficiência, demonstra que não há arrependimento mas, tão somente, um remorso, remorso este que nbão poderá dar qualquer fruto para a vida eterna.
Se Judas Iscariotes tivesse retornado para o local onde havia caído, para a presença do Senhor, para o convívio do Mestre, se a ele tivesse recorrido para pedir perdão, para reconsiderar o seu beijo traidor com as lágrimas aos pés do Senhor, a exemplo daquela mulher que tanto recriminara alguns dias antes da traição, certamente teria recebido do seu amigo (pois foi assim que Jesus se identificou a Judas no momento da traição, Mt.26:50, deixando, assim, o caminho livre para uma reconciliação) o perdão e a restauração.
Mas Judas não quis voltar para aquele lugar, não aceitou lembrar-se de onde tinha caído mas, antes, preferiu voltar até ao templo, onde pensou obter o perdão dos sacerdotes, que, entretanto, nada lhe podiam fazer. O resultado outro não poderia ser: morte e perdição.
Em Quiriate-Jearim, deveria o povo se lembrar daquele concerto que estava há quase um século esquecido. Deveria se lembrar que o Senhor habitava entre os querubins, como figurava a arca, que reinava sobre todo o Universo, que era santo e que não havia escolhido Israel por ser ele um povo forte, bom ou poderoso, mas, muito pelo contrário, precisamente porque era Deus, escolhera o povo mais débil e menos numeroso, para confundir as coisas que são com as que não são.
Em Quiriate-Jearim, o povo deveria se lembrar que Deus lhe escolhera pela Sua infinita misericórdia e que Sua glória era tremenda, a ponto de o povo não Ter suportado uma pequena manifestação quando da entrega da Lei.
Em Quiriate-Jearim, o povo deveria se lembrar que, quando da entrega das tábuas da Lei a Moisés, apesar de toda a demonstração de poder, o povo havia feito para si um bezerro de ouro, mas que Deus demonstrara, uma vez mais, Seu amor para com aquele povo, deixando de destruí-lo, a pedido de Moisés.
Em Quiriate-Jearim, o povo deveria se melbrar de todos os ditames da Lei, deveria relembrar todos os mandamentos, verificar quais eram as ordenanças de Deus e, assim, retomar o curso da obediência e da rigorosa observância da vontade de Deus.
Todavia, embora o povo estivessem em Quiriate-Jearim, esmbora estivesse todo ele reunido, embora houvesse alegria e, com certeza, toda a alegria por parte daquela bonita multidão, composta de todos os sacerdotes, de todos os levitas, de todos os soldados e de muitos moradores, não havia real disposição para um arrependimento, para uma consagração a Deus.
Muitas das reuniões que hoje se realizam no meio do povo de Deus, notadamente entre aqueles que se dizem pentecostais e, portanto, que dizem dar plena liberdade à atuação do Espírito Santo, são idênticas ao ajuntamento de Quiriate-Jearim.
Nelas, como em Quiriate-Jearim, há muito povo, povo de todas as partes, sem exceção de qualquer cidade, bairro ou vila da denominação, ministério ou comunidade.
Nelas, como em Quiriate-Jearim, há sacerdotes, levitas (os obreiros não consagrados e os auxiliares litúrgicos em geral), também de todas as partes, sem qualquer exceção.
Nelas, está presente também o rei, seu exército e todos os anciãos (entendido aqui como o líder ou líderes máximos), bem como os cantores e instrumentistas.
Nelas há uma grande confraternização e, como não poderia faltar, muita alegria, com festa, folguedo e toda sorte de emoção, como havia em Quiriate-Jearim, mas faltava a disposicão de coração, a real intenção de servir a Deus.
Como podemos afirmar que lá não havia a disposição de servir a Deus, de realmente se iniciar uma caminhada conforme a direção e a vontade de Deus ?
Simplesmente porque o versículo 7 nos informa que, ao lado dos cânticos, dos alaúdes, das harpas, dos címbalos e das trombetas que faziam a alegria do culto e que, certamente, assemlhava a reunião com os "cultos pentecostais" dos dias atuais, estavam a levar a arca de Deus num carro novo.
Ora, poder-se-ia dizer, que mal haveria em se levar a arca de Deus num carro novo ?
Com efeito, se havia um carro novo para levar a arca de Deus é porque algum denodado servo de Deus, com a mais pura das intenções, havia se esforçado para que, não só ele, mas todo um grupo de israelitas, assim que souberam da disposição do rei Davi em levar a arca até Jerusalém, iniciassem esta árdua tarefa de construir um novo carro, fazer um carro especialmente para levar a arca de Deus.
Certamente, estavam se lembrando do episódio segundo o qual a arca havia ido até Quiriate-Jearim, ou seja, através de um carro de bois, no qual havia uma oferenda de hemorróidas de ouro, através do qual os filisteus tinham tentado aplacar a ira do Senhor durante o tempo em que a arca esteve nas cidades filistinas.
Mas, como não havia real disposição para se lembrar dao passado, do motivo pelo qual a arca tinha estado nas mãos dos filisteus, preocuparam-se não em saber porque a arca tinha estado com os tradicionais inimigos dos hebreus, mas em fazer um carro novo, com certeza mais bonito, mais puro, bem mais confortável que o que fora feito pelos filisteus.
Não temos dúvida de que o carro novo era belo, deslumbrante mesmo e que deve até ter impressionado o rei Davi, que ficara sensibilizado com tamanha obra de arte que nem se importou, ou quem sabe, até concordou que seria o adequado meio de transporte para a viagem da arca até Jerusalém.
Este é o problema de se estar pensando segundo a lógica humana, de se estar fora da direção e da vontade de Deus.
Davi, bem intencionado e emocionado com toda a confraternização que se realizava, não pôde discernir espiritualmente o que significava a utilização de um carro novo parta se levar a arca de Deus.
Era terminantemente proibido o transporte da arca de Deus por meio de um carro.
Segundo a lei, a arca deveria ser sempre transportada pelos sacerdotes em varais especialmente feitos para isso (Nm.4:10), não antes de a arca ser coberta pelo véu e este com peles de teixugos e um pano todo de azul (Nm.4:6).
A arca deveria ser carregada pelos sacerdotes, em varais, daí porque ter a arca argolas (Ex.25:12), pois não poderia ser vista nem tocada, numa clara demonstração de que, em virtude do pecado, não poderia haver comunicação direta entre Deus e os homens.
Todavia, ao invés do peso da arca, ao invés do trabalho de ter de trazer o véu, a cobertura de pele e o pano todo azul lá do tabernáculo, que se encontravam em Nobe, de arrumar os varais e levar todo aquele peso, era muito mais atraente e fácil fazer um carro novo e levar a arca deste modo em meio a cânticos e sonidos de instrumentos.
Este é, lamentavelmente, o comportamento de muitos crentes nos dias hodiernos.
Preferem as facilidades, o caminho mais curto, o meio mais fácil para servir a Deus, a o modo indicado pelo Senhor, esquecendo-se do que diz a Sua Palavra.
O carro novo é mais atraente, é mais cômodo, é muito mais popular, emocionando a muitos e permitindo que todos possam se alegrar mais rapidamente.
Sim, não há como fugir à tentação de ceder ao charme, à aparência do carro novo.
Quem levava o carro novo eram bois, mantendo-se os sacerdotes no ócio, apenas no louvor a Deus, seja cantando, seja tocando os instrumentos. Que maravilha! Que grande mudança para bem dos homens que se dispõem a servir a Deus!
Este é o que pensam os que querem modernizar a Igreja do Senhor. Os que vêem nas inovações tecnológicas, no desenvolvimento da Humanidade um pretexto para suavizar os rigores da doutrina, as exigências e responsabilidades do cristão.
Quem busca o carro novo é aquele que só quer saber dos supostos direitos do cristão, das supostas obrigações do Senhor, não raro transformado em um Senhor nominal mas que é, nas suas concepções, tão somente um super-empregado, alguém que é obrigado a satisfazer os desejos do crente na hora, no modo e na medida do coração do suposto servo, o verdadeiro senhor, já que tudo determina à sua boa-vontade.
Quem busca o carro novo, não tem qualquer responsabilidade sobre seus ombros, não tem necessidade de fazer qualquer esforço para servir a Deus, serve do seu modo, em meio a muitos cânticos e sons de instrumentos, de uma forma bem mais suave, chegando, mesmo, a dizer que assim é que se deve servir a Deus, pois "seu fardo é leve e seu jugo é suave".
Este pensamento, lamentavelmente, tem prevalecido em muitos lugares no meio do povo de Deus e tem desviado muitos da vontade do Senhor.
Assim como ocorria naquela festividade em Quiriate-Jearim, em muitos lugares, em muitas festividades existentes no meio do povo de Deus, tem-se preferido colocar o carro novo, tem-se adotado o carro novo, ao invés de se cumprir o que manda a Palavra do Senhor.
Os sacerdotes, que são nada mais nada menos que os próprios servos do Senhor na atual dispensação, que somos nós (I Pe.2:9), Sua Igreja, preferem construir um carro novo a ter de levar sobre seus ombros, em varais determinados por Deus, o peso, a responsabilidade da arcaç que é o símbolo da presença do Senhor.
Quantos não têm preferido servir a Deus em cultos recheados de louvores (quando não só de louvores, os chamados "louvorzões"), com pequeníssimo espaço para a Palavra de Deus, ao invés de buscarem meditar na Palavra, na doutrina, para melhorarem seus ca minhos ?
Quantos não têm preferido discutir dilemas bíblicos, pontos obscuros das Escrituras, costumes sociais a verificarem o que a Palavra de Deus tem a lhes dizer sobre sua ética, sobre suas atitudes cotidianas, sobre seu proceder perante a Igreja e perante os incrédulos ?
Quantos não têm procurado êxtases, novidades espirituais, verdadeiros "shows", ao invés de um real confronto e auto-exame entre sua vida, seu dia-a-dia e a Palavra de Deus, de uma vida de consagração, de oração e jejum, para desfrutar, ele próprio, de uma real porção da graça do Senhor ?
Estes são os que estão a procurar e a empenhar seu tempo no carro novo, tal qual ocorria com aquela grande multidão, que tinha, inclusive, a conivência do rei Davi, um rei segundo o coração de Deus.
Com certeza, Davi se deixou influenciar peloa quantidade de presentes, pelo belo e agradável som dos instrumentos, pela multidão dos cantores, enfim, pelas aparências, que indicavam, enganosamente, que se estava diante de um grande e inédito culto de toda a Nação, que estaria sendo do imenso agrado do Senhor.
Ledo engano, que muitos líderes, hoje, repetem, entusiamando-se com a quantidade, com as multidões, com a popularidade, com as massas, esquecendo-se de que o primoridal, o mais importante é se ter não um ajuntamento, como o que havia em Quiriate-Jearim, mas uma reunião que agrade a Deus e não era o caso daquela grande festividade.
A festividade fora convocada para que o povo pudesse retomar a responsabilidade para com Deus, para que o povo recobrasse sua memória e tornasse a dar o devido lugar para a aliança com Deus, mas se convertera numa ode, num louvor a esta mesma e já secular vida descompromissada com Deus.
Ao invés de se lebrar de onde caíra, ao invés de reiniciar uma vida com Deus em seu devido lugar, qual seja, o primeiro de todos, conforme o mandamento, o povo aproveitava a ocasião para, mais uma vez, revelar que estavam servindo a Deus ao seu próprio modo, que estavam perseverantes no seu propósito de conservarem seus intentos, suas ambições, seus desejos acima do Senhor. Mantinham-se firmes em seu egoísmo espiritual, em colocar o "eu", a auto-suficiência no seu plano primeiro de suas existências.
O engano, o desvio para com o modelo bíblico era tanto que, por incrível que pudesse parecer, que os levitas nem sequer haviam sido convocados para levar a arca de Deus, como se pode entender pelo que se contém em I.Cr.15:2, quando, após a tragédia de que ora se fala, Davi caiu em si e foi buscar a direção do Senhor para que a arca pudesse ser trazida para Jerusalém.
Ora, nem mesmo as pessoas que Deus havia determinado para tão importante serviço haviam sido lembradas para ele!
Havia um clima de festança totalmente alheio à Palavra de Deus e à Sua vontade. Havia, sim, muito barulho, mas nenhuma espiritualidade. Havia muita vontade de servir a Deus, mas Deus não se fazia presente, precisamente porque o povo queria servir a Deus a seu modo e não da forma determinada pelo Senhor.
Grande perigo é este que corre o povo de Deus, o de passar a querer, ele próprio, estabelecer os parâmetros, os limites e as condições do serviço a Deus.
Quando assim começa a agir, o povo envereda por um caminho que somente trará a morte e a tragédia espirituais.
Disse Jesus que Ele era o caminho, a verdade e a vida e que ninguém viria ao Pai senão por Ele. Ele é o caminho, Ele é a forma pela qual chegamos a uma plena comunhão com o Senhor.
Não aceitemos outros caminhos, outros modos de serviço a Deus, não aceitemos falsos Cristos, que estão, notadamente nestes últimos dias, apresentando-se em cada esquina, em cada ponto da cidade ou do campo, buscando desviar a quem possa, agentes de Satanás que são.
Sirvamos ao Senhor dentro do modelo estabelecido pela Sua Palavra, sem inovações, sem modismos, sem carro novo e, assim, com certeza, desfrutaremos da presença de Deus até chegarmos a Jerusalém.
A festividade, aparentemente espiritual e alegre, um verdadeiro "culto pentecostal", para nos utilizarmos de expressão corriqueira do povo de Deus nos dias atuais, prosseguia alegre e a alegria invadia os corações de todos, a começar do rei Davi.
Era uma grande confraternização, era um festa emocionante, que fazia com que lágrimas corressem pelas faces de todos quantos ali estavam. A música era tocante e a todos sensibilizava.
Era, porém, uma alegria puramente carnal. Eram emoções, legítimas e sinceras, não resta dúvida, mas emoções que brotavam da carne, dos sentimentos do homem, que não tinham como origem o Espírito de Deus.
Sim! É possível alguém se emocionar numa festividade desta natureza como se emocionam as pessoas com peças teatrais, romances, situações as mais variadas da vida real, filmes e outras coisas similares.
Os crentes são seres humanos e a emoção faz parte de suas vidas como a de qualquer outro.
Entretanto, a emoção não vem necessariamente de uma atuação do Espírito Santo e, muitas das vezes, é algo decorrente de nossa própria estrutura psíquico-corporal.
Era esta a emoção que invadia os corações de todos aqueles que participavam daquela festividade e é a espécie de sentimento que existe em muitas festividades que são realizadas atualmente no meio do povo de Deus.
Não se iluda. Jesus disse, o que é nascido da carne, é carne e todo sentimento que nasce fora das diretrizes e dos parâmetros estabelecidos pela Palavra de Deus não pode ser algo espiritual, mas será apenas uma estratégia carnal, que fruto espiritual algum poderá gerar.
Ao se chegar à eira de Quidom, porém, revelou-se a verdade, desapareceram as aparências.
A eira é um terreno liso e duro onde se limpam e se secam cereais ou legumes. Era, pois, um terreno que tinha muitos restos de cereais, muita palha, em que se poderia, como realmente ocorreu, haver o tropeço dos bois que conduziam o carro novo.
A eira de Quidom representa o momento da dificuldade, o instante de atenção e vigilância que se deve ter na caminhada.
Não se trava de nenhuma área de grande dificuldade, como uma ladeira, um vale profundo, ou algo similar. Era apenas uma eira, um terreno em que haveria algum senão, mas que não poderia se comparar a qualquer dos acidentes gegoráficos que, por si sós, complicam e dificultam sobremaneira uma viagem, mormente nos dias em que os fatos se deram.
Mas, numa vida superficial, numa vida de aparência, fora da direção de Deus e que prima pela comodidade e pela irresponsabilidade, qualquer eira se torna um perigoso obstáculo, um obstáculo que será intransponível.
Bem disse o Senhor, ao finalizar o Sermão do Monte, que só aqueles que ouvem e praticam as Suas palavras podem ser comparados aos que edificam suas casas sobre a rocha e que suportam os ventos, as tempestades e as correntes de águas, que são símbolos, respectivamente, das adversidades causadas pelos nossos atos, das provas de Deus e das tentações do adversário.
Os outros, que embora ouçam as palavras do Senhor mas não as praticam, disse Jesus, são como aqueles que edificam suas casas sobre a areia, néscios que sucumbirão quando vierem os ventos, as tempestades e correntes de águas.
Assim são aqueles que, deixando de lado o que manda a Palavra de Deus, preferem o carro novo, perseveram em servir a Deus ao seu modo e de acordo com os seus interesses. Edificam suas vidas espirituais sobre a areia, que é exatamente o fundamento que escolheram, a sua auto-suficiência, o evangelho de facilidades, o carro novo ao invés do peso e da responsabilidade dos varais.
À primeira adversidade, sucumbem, não resistem, porque não têm fundamento, porque não tem seguido a Palavra do Senhor.
É, realmente, preocupante se verificar, nas igrejas, que muitos não têm buscado aprimorar e os líderes em levar o povo a se aprimorar na Palavra do Senhor e na Sua doutrina.
Não há uma real disposição em se fazer um discipulado junto aos neoconversos, incutindo-lhes a sã doutrina e lhes dando alimento espiritual sadio para que possam, no dia mau, havendo feito tudo, ficar firmes.
Mister se faz que a Igreja regue o terreno, adube-o, para que a semente possa germinar e dar fruto, sem o que, inevitavelmente, o novo convertido poderá ser sufocado pelos cuidados deste mundo, por não haver profundidade em sua terra, bem como Ter arrebatada a semente da palavra do seu coração pelo inimigo ou morrer de inanição, por falta de alimento.
A quantidade, o barulho, a emoção, nada disse traz para o povo de Deus o fundamento da Palavra de Deus, o alicerce para que se enfrentem as dificuldades, a rocha, que é Cristo Jesus, que é quem deve ser formado em cada um de nós (Gl.4:9).
Quando isto não ocorre, uma simples eira, um terreno liso e duro, sem buracos, mas que contém um pouco de palha e restos de cereais, é suficiente para trazer a morte e para dar fim a toda a pseudo-espiritualidade existente.
Pois bem, bastou chegar-se a eira de Quidom, a uma primeira dificuldade, ainda que de pequenas proporções, para que os bois começassem a tropeçar.
O carro novo não resistia sequer a uma eira, a um terreno com um grau mínimo de dificuldade, assim como as inovações doutrinário-teológicas não podem resistir ao mínimo de detida meditação da Palavra, ao mínimo de argumentação, daí porque apelem sempre para a emoção, para o êxtase e fujam, desesperadamente, da exposição criteriosa e ungida da Palavra de Deus.
Bastou uma eira para que os bois, aqueles que estavam encarregados pelos comodistas, a levar a arca, que se encontrava à vista de todos no carro novo, , começassem a tropeçar.
Estivessem os levitas com seus varais, levando a arca, devidamente coberta pelo véu, pela cobertura de peles de teixugos e pelo pano azul, certamente a eira não seria problema algum para a travessia da arca rumo a Jerusalém.
Mas, ao invés de levitas, ao invés de pessoas devidamente separadas por ordem de Deus, quem estava a conduzir a arca eram bois, animais irracionais, sem capacidade de discernimento.
Triste fim este o de um ajuntamento em que a condução dos trabalhos, a condução em busca da presença de Deus fica com bois, com animais irracionais, com seres desprovidos de espiritualidade, de discernimento espiritual.
Quantos não são estes ajuntamentos, em que bois ditam as regras e a direção que se deve tomar, apesar de estarem ali líderes escolhidos por Deus, como era o caso de Davi ?
Quantos não são os movimentos que, por serem liderados por bois, por se terem tirado as responsabilidades impostas a cada crente, na primeira dificuldade, na simples eira de Quidom, tragicamente sucumbem, para escândalo e tristeza e, o que é pior, para morte de muitos ?
Entretanto, tal qual se deu em Quiriate-Jearim, ou um pouco além daquela cidade de Judá, assim se dá em muitos ajuntamentos, em muitos movimentos hodiernos, em que estão a trocar a cruz pelas facilidades, em que já não se ouve mais a série e grave palavra do Senhor: "quem quiser me seguir, tome a sua cruz e me siga".
Os bois começaram a tropeçar e o carro novo não deu mostras de que iria segurar a arca, que estava a ponto de cair no chão e, quem sabe, até quebrar, o que seria um escândalo inominável, mesmo para um povo que se conformava em alegrar-se segundo suas vontades, mesmo para quem preferia Ter seus deleites religiosos ao invés de assumir uma responsável adoração a Deus.
É neste instante que surge a figura de Uzá, aquele que, com a própria vida, levaria o rei e todo aquele ajuntamento de volta à realidade espiritual, à consciência da verdade.
Diz a Bíblia que Uzá era um dos filhos de Abinadabe(II Sm.6:3) e que, juntamente com seu irmão Aiô, guiavam o carro novo.
Muito provavelmente, ele e seu irmão tinham sido um dos principais responsáveis pela fabricação do carro novo. Portanto, era pessoa que estava intimamente ligada com esta inovação, que zelava pela manutenção das aparências e da inovação trazida para o ajuntamento.
Deveria ser, provavelmente, um levita, já que a arca teria estado sob os cuidados de seu pai durante todo o tempo em que a arca esteve em Quiriate-Jearim e, portanto, mais do que ninguém, sabia das normas e da necessidade de que a arca fosse levada nos ombros pelos levitas e não num carro novo.
Diz a Bíblia, também, que, enquanto seu irmão Aiô estava diante da arca, ou seja, à frente, procurando, muito provavelmente, dirigir os bois que levavam o carro novo, Uzá, bem ao contrário, se encontrava bem próximo ao carro novo, perto da arca do Senhor.
Estava, como bem se observa, totalmente aborvido na sua admiração pela forma mais confortável pela qual se estava a levar a arca do concerto.
Embevecido estava pela sua obra-prima, pela comodidade alcançada, pela facilidade criada. Mal podia se conter o jovem Uzá com o sucesso e o êxito daquele ajuntamento e, certamente, já sonhava com as conseqûências de seu gesto perante o rei Davi quando chegasse a Jerusalém.
Ao invés de ajudar seu irmão Aiô, que, mesmo dentro da comodidade, ainda procurou o que fazer para o sucesso da viagem, Uzá estava, mesmo, era preocupado em saciar seu ego, em demonstrar a sua auto-suficiência, era o personagem mais comprometido com o lamentável estado de coisas daquele ajuntamento do ponto-de-vista espiritual.
Caminhava praticamente ao lado da arca, colocava, para se utilizar de linguagem bem popular de nossos interioranos, "o carro na frente dos bois", visto que se preocupava muito mais em demonstrar a firmeza, a esperteza e o êxito de seu carro novo do que em servir a Deus, em cumprir a Sua palavra e, mesmo, de, pelo menos, ajudar a guiar os bois que estavam a fazer a tarefa que, de direito, deveria ser exercida pelos levitas, em especial aqueles que haviam guardado a arca por tantos anos.
Quando deixamos a visão de Deus e passamos a nos guiar por nós mesmos, passamos a ser cegos espirituais, deixamos de compreender as coisas do Senhor e nos tornamos tolos por completo, everedando pelo caminho da morte que, muitas vezes, é sem qualquer volta.
Uzá não surge na narrativa por acaso nem sua morte será uma fatalidade, uma demonstração surpreendente da ira de Deus. Não !
Uzá era o principal personagem, o protótipo do espírito alheio a Deus que tomara conta daquele ajuntamento, que transformara aquele "culto pentecostal" numa reunião festiva, fraterna, barulhenta, vistosa mas sem qualquer presença real do Senhor.
O povo se divertia, o povo se confraternizava, o povo se apresentava piedoso, mas, na verdade, apenas estava seguindo seu já secular caminhar de desprezo e desconsideração ao Senhor.
Naquele ajuntamento, por incrível que possa parecer, o povo apenas estava a dizer, em alto e bom som, que continuava a deixar Deus de lado, que persistia em negar ao Senhor a primazia em suas vidas e na vida da nação.
Naquele ajuntamento, ao contrário do que tanto sonhava o rei Davi, o povo não estava restabelecendo sua comunhão com Deus nem entronizando ao Senhor, uma vez, sobre Israel, mas, bem ao contrário, continuavam a colocar a sua vontade como ponto de referência, como razão de ser de suas atitudes e condutas. Como haviam rejeitado a Deus como rei nos dias de Samuel e Saul, estavam prontos a fazê-lo uma vez mais durante o governo de Davi.
Uzá estava completamente absorvido pelo carro novo e pela situação, quando vê que os bois começam a tropeçar e que a arca poderia tombar.
Que fazer, então ?
Parar o ajuntamento e avisar a Davi que se deveriam trazer os varais, cobrir-se a arca e chamar levitas para o transporte ?
De modo algum! Como retirar o brilho e o sucesso do carro novo, obra-prima de suas mãos ? Afinal de contas, a culpa não é do carro, mas, sim, dos bois que não têm capacidade para bem caminhar e do irmão Aiô que não tem competência para guiá-los!
Ajudar a Aiô na direção dos bois, para que consigam um caminho melhor nesta eira, cujo grau de dificuldade é mínimo ?
De jeito nenhum! Uzá já havia feito a sua parte, que era ter fabricado o carro novo e agora, enquanto acompanhava a arca, enquanto se notabilizava como a pessoa mais próxima de Deus em todo o ajuntamento, que Aiô faça a sua parte e bem conduza os bois que estão a tropeçar.
Mas a arca vai cair, Aiô não está bem conduzindo os bois, o escândalo pode ocorrer, o ajuntamento pode se tornar em tragédia, o carro novo pode não dar conta da sua tarefa, a comodidade e a solução obtidas podem fracassar?
Surge, então, a resposta que solucionaria o dilema e manteria as aparências? Basta que Uzá dê uma pequena ajuda, que segue a arca, que a não deixe tombar, demonstrando toda a sua pureza, todo o seu zelo, toda a sua espiritualidade, todo o seu cuidado.
Mas a arca não pode ser tocada ? Bobagem, pois nem mesmo poderia ter sido colocada a descoberto em um carro novo e o foi, com total aprovação de Deus, tanto que o ajuntamento está alegre, os hinos são entoados com perfeição e a emoção a todos contagia... e a arca foi tocada por Uzá e a verdade se revelou!
Tragédia! Ao tocar a arca, Uzá cai fulminado ao chão. O ajuntamento pára de caminhar. Apesar de toda a confusão que, naturalmente, seguiu-se a este desastre, não fez com que a arca caísse nem que os bois, antes trôpegos, assustassem-se a ponto de causarem estrago à arca do concerto.
O problema não eram os bois, não era a posição da arca, nem mesmo o carro novo. O problema era o homem, o povo de Israel que insistia em servir a Deus de qualquer maneira, segundo a sua própria vontade e desejo.
Deus não se deixou escarnecer e fulminou a Uzá, não um inocente que pagaria pelos erros de todos, mas, indubitavelmente, a pessoa que mais representava o espírito que estava dirigindo aquela festividade.
Certo pastor disse, em uma ocasião, para susto de muitos, que uma das mais extremas formas de Deus falar é através da morte. Quando tudo está a falhar, quando Deus já se utilizou de todos os modos para alertar a Seu povo e não é ouvido, lança mão deste recurso extremo, em que alguém perece para que muitos possam alcançar a vida eternal.
Embora seja palavra dura e, até certo ponto, aterrorizadora, temos de concordar com aquele homem de Deus e a passagem sobre a qual estamos a refletir é um caso concreto desta ação extrema do Senhor.
De nada havia adiantado todo o sofrimento passado por Israel desde a derrota para os filisteus nos tempos de Eli. Cem anos aproximadamente decorreram e o povo permanecia indiferente à presença de Deus em seu meio e até proporcionava uma festividade, que seria para arrependimento e mudança de atitude a este respeito, para reafirmar sua vida desregrada e seu desprezo para com a soberania divina.
Mas Deus não se comove com barulho, com cânticos, com instrumentos, com quantidade de pessoas, não se deixa impressionar por aparências.
Muito pelo contrário, o Senhor é a Verdade e não permite que ela fique oculta por muito tempo nem que o engano prevaleça indefinidamente.
Em especial, na atual dispensação, foi incisivo ao afirmar para a Igreja de que "as portas do inferno não prevalecerão contra ela" o que significa afirmar que a mentira nunca terá guarida nem sucesso no meio do povo de Deus, já que a mentira é algo muito próprio daquele que é mentiroso desde o princípio e que luta contra essa Igreja(Jo.8:44).
Assim, ainda que muitos estejam preocupados em criar carros novos para atrair multidões, saiba que a alegria, os cânticos e a demonstração de espiritualidade poderão, sim, trazer a atenção da mídia, o prestígio entre as autoridades e os políticos, mas nada disso comoverá o coração do Senhor mas, bem ao contrário, fará com que Ele se incumba de trazer à tona a verdade, nada mais do que a verdade.
Toda a alegria, toda a emoção, todos os cânticos, todos os instrumentos, toda a espiritualidade se foi após a manifestação do poder de Deus.
Eis o "culto pentecostal" que não dá certo: aquele em que a Palavra do Senhor é deixada de lado, é substituída pela inovação, pelo barulho, pela emoção carnal. Seu fim não será outro senão o da morte e da tragédia.
Li num comentário deste trecho que a morte de Uzá se deveu tão somente à circunstância de que não havia sacerdócio regular em Israel naqueles dias, que Deus estaria apenas atestando tal circunstância.
É um grande simplismo assim raciocinar-se, sendo este um entendimento bem apropriado para os inovadores, para os auto-suficientes que, ao lerem esta passagem, sintam calafrios em suas veias pelo fato de estarem, assim como Uzá, buscando carros novos que venham a substituir as suas responsabilidades na vida cristã.
Havia, sim, um sacerdócio regular em Israel, instituído que fora por Moisés ainda no deserto, como haviam regras clarevidentes a respeito de como se deveria conduzir a arca. Verdade é que Davi estava a iniciar o processo de alteração do local de culto, empresa que não pôde levar avante e que ficou ao cargo de seu sucessor, seu filho Salomão. Todavia, não há como deixar de ver, neste trecho, a falta de vontade do povo em seguir a lei do Senhor, a insistência em se manter rebelde aos mandamentos de Deus, a razão primeira para que tenha ocorrido a morte de Uzá.
As Escrituras são claras: Uzá morreu ali perante Deus. Era diante de Deus que Uzá estava em falta. Era diante de Deus que aquele ajuntamento se constituía em reunião abominável e desagradável .
Diante do rei e de todos os que ali estavam, Israel estava vivendo um dos seus principais e mais emocionantes instantes de devoção a Deus mas, para o Senhor, nada disso era o que se via, mas uma voluntária, unânime e decidida manifestação de rebeldia, de contrariedade aos mandamentos que deveriam reger o povo de Israel.
O episódio nos evoca a torre de Babel, onde também o povo em unanimidade se dispôs a desafiar a Deus e, tal como no texto que estamos meditando, Deus desceu com providência de juízo, sempre visando manter a humanidade em condições de poder chegar a aceitar o Seu amor.
De imediato, o coração de Davi se encheu de tristeza, pois era um coração conforme o coração de Deus. Davi caiu em si e percebeu que a Deus era desagradável aquele ajuntamento e que, embora suas intenções fossem as melhores possíveis, não se estava na direção de Deus.
Diz o texto sagrado que Davi temeu e se perguntou como deveria levar a arca de Deus para Jerusalém.
Esta é uma atitude de um verdadeiro servo de Deus, que se conscientiza da necessidade de ser guiado pelo Senhor em todos os seus desejos e propósitos.
Davi logo entendeu que aquele ajuntamento não estava de acordo com a vontade do Senhor, embora, para tanto, Deus tivesse de Ter falado pela dura forma da morte.
No entanto, Davi, ainda que de modo tão duro, sensibilizou-se e percebeu que toda aquela parafernália, toda aquela festividade desagradara ao Senhor e que seria necessário que se perquirisse qual o modo do Senhor.
Davi inicia um auto-exame, a fim de que pudesse fazer uma análise introspectiva, uma auto-avaliação, a fim de perceber onde havia errado. ""Lrembra-te de onde caíste", diz o Senhor à igreja de Éfeso, e, então, será possível um real arrependimento e o reinício de uma caminhada na vontade do Senhor.
Esta deve ser, sempre, a conduta do cristão. Pedro, em sua primeira epístola, claramente a isto aduz quando afirma que o crente deve deixar toda a malícia, todo o engano, todos os fingimentos, toda a inveja e todas as murumurações e, aí então, desejar afetuosamente o leite racional, não falsificado, para que possa haver o crescimento espiritual (I Pe.2:1,2).
Para que o crente possa crescer espiritualmente, para se chegar a Deus, mister se faz que nós deixemos o engano, a hipocrisia, o fingimento, que abandonemos o "fermento dos fariseus"e nos apropriemos dos "asmos da sinceridade", reconhecendo nossos erros, nossos percalços e, assim, aceitemos a doutrina sá, o verdadeiro ensinamento do Senhor, para que possamos tornar a ter Cristo formado em nós.
Somente desta forma, afirma Pedro, poderemos oferecer sacrifícios espirituais agradáveis a Deus por Jesus Cristo (I Pe.2:6).
Não se pode querer agradar a Deus guiando-nos pelos nossos próprios conceitos, pelos nossos próprios parâmetros, pela nossa própria vontade. Enquanto assim agirmos, seremos rebeldes e desobedientes à Palavra do Senhor e nada obteremos do Senhor Jesus senão sua reprovação: "mas, para os rebeldes, a pedra que os edificadores reprovaram, essa foi a principal da esquina, e uma pedra de tropeço e rocha de escândalo para aqueles que tropeçam na palavra, sendo desobedientes, para o que foram destinados." (I Pe.2:7b,8).
Pelo que se pode observar, não havia outro caminho para Uzá, que havia desobedecido deliberadamente à Palavra do Senhor e que tropeçara na sua doutrina.
Ao invés do rapaz bem-intencionado, inocente e que foi abruptamente alvo da ira de Deus, como se pode até achar numa primeira leitura apressada do texto, o que vemos é a justa retribuição a um homem que, conhecedor que era da doutrina, deliberadamente dela se aparta e se constitui num dos principais personagens que transtornaram todo o intento do ajuntamento, que era o de trazer de volta ao coração dos israelitas a primazia e soberania de Deus e que o transformara, bem ao contrário, na máxima exaltação da rebeldia e da desobediência.
Há, ainda, muitos Uzás no meio do povo de Deus, homens inescrupulosos, que, com suas inovações, com seu comodismo e pensamentos, altamente atraentes e aparentemente espirituais, transtornam o espírito das reuniões do povo de Deus, desviam totalmente a sua intenção, tornando-os em ajuntamentos altamente desagradáveis ao Senhor.
Entretanto, não nos iludamos, o Senhor é o mesmo e, ainda que estejamos na dispensação da graça, Deus não se deixa escarnecer e, a seu tempo, abrirá a brecha em Uzá, transformando o palco da alegria fácil e carnal em lugar de tristeza e de conscientização de alguns.
Deus não abre roturas em meio ao Seu povo porque tenha prazer na morte do ímpio, ainda que seja ele agente deliberado do inimigo para transtornar a Sua obra e seja da natureza de Deus desfazer as obras do diabo, mas pelo Seu grande amor para com o homem, pois, através desta brecha, que aniquila as astutas ciladas do inimigo, também abre a oportunidade para o arrependimento de todo o povo.
Deus, se de um lado não preserva os lobos vorazes que se infiltram no rebanho, aqueles que deliberadamente passam a seguir o caminho de Caim, que se deixam enganar pelo prêmio de Balaão e, por isso, perecem na contradição de Coré (Jd.11); de outro, abre uma real oportunidade para que muitos temam ao Senhor e, como Davi, perguntem-se como poderão agradar a Deus e, por meio deste gesto de sincero e real arrependimento, alcancem a vida eterna.
Ao entender que não estava agradando a Deus, Davi suspendeu o ajuntamento, desistiu de levar a arca do concerto para Jerusalém e determinou que a arca ficasse na casa de um estrangeiro, o giteu Obede-Edom, numa clara demonstração de que entendera que o povo de Israel não estava em condições de ter a presença de Deus.
Era uma atitude difícil e que poderia gerar inúmeros problemas para Davi: rei recém-confirmado por todas as tribos, seu gesto poderia ser mal interpretado pelos capitães e anciãos, que poderiam se rebelar e até mesmo contestar a autoridade do novo rei.
Entretanto, Davi tinha decidido servir primeiramente a Deus e a ele somente obedecer, custasse o que custasse a sua opção.
Conscientizado pela abertura da brecha em Uzá, imediatamente reconheceu que não estava em condições de ter ao seu lado a presença do Senhor, simbolizada pela arca, nem o povo que ele esta a governar. Colocou a arca na casa de um estrangeiro e passou a procurar como poderia agradar ao Senhor.
O povo, atemorizado que estava com a morte de Uzá, também não se rebelou e aceitou a determinação do rei, aceitando, pela vez primeira, em quase cem anos, que não era um povo santo nem privilegiado, reconhecendo que não era digno da presença do Senhor.
O resultado deste ato de arrependimento, deste gesto de humilhação e reconhecimento de indignidade por Israel e pelo seu rei se fez sentir na casa de Obede-Edom.
O texto sagrado nos diz que Deus abençoou grandemente a Obede-Edom durante os três meses em que a arca esteve em sua casa.
A bênção na casa de Obede-Edom não é explicitada pelas Escrituras Sagradas, mas, certamente, alcançou todos os aspectos de sua vida e de forma bem visível e palpável, para que Israel não tivesse qualquer dúvida de que Deus, ao contrário do que acontecera no trágico ajuntamento, agora, sim, estava a aprovar a conduta e as atitudes tomadas pelo Seu povo.
Veja que paradoxo: num ajuntamento solene, formado só de israelitas, com cantores e instrumentistas, em meio a tanto barulho e pseudo-alegria, Deus não se fez presente senão para causar a morte de Uzá; agora, sem qualquer festa, em meio a temor, na casa de um estrangeiro, Deus demonstra todo Seu agrado, abençoando aquele que hospedava a arca do concerto.
As coisas de Deus são assim mesmo, fogem completamente à lógica humana, como já dissemos há pouco.
` Quando há sinceridade de propósitos, reconhecimento das próprias faltas e desejo ardente de reconciliação, Deus abençoa, nem que seja o gentio, nem que seja o estrangeiro, o alheio aos compromissos com Sua Palavra, se o objetivo [e mostrar ao Seu servo o Seu agrado e a conformidade com a Sua vontade.
Deus não é um ser que se ausente de nós ou que venha apenas no ferir ou nos trazer juízos, ainda que com propósito de correção e cura, mas um ser que está sempre disposto a dialogar conosco, a nos mostrar o caminho direito que devemos andar, a nos incentivar e estimular a termos uma vida de comunhão com Ele e vida de comunhão é tornar comum tudo aquilo que não só acontece em nossa vida, como também aquilo que Ele tem nos destinado a fazer.
Como temos comunhão com Deus, já não somos alguém, mas somos um com o Senhor e tudo que Ele quer de nós , ele nos faz saber, pois somos um com Ele, assim como tudo que queremos, a ele participamos, vivendo sempre segundo a Sua vontade. Este é o mistério que Jesus revelou em Sua oração sacerdotal: "Para que todos sejam um, como tu, ó Pai, o és em mim , e eu em ti/ que também eles sejam um em nós, para que o mundo creia que tu me enviaste" (Jo.17:21).
É esta a unidade proposta por Jesus a cada um de nós, uma unidade de propósitos, de desejos, que nós renunciemos a uma vida própria, a uma vontade própria e passemos a desfrutar da vontade de Deus, de um querer único e comum.
Davi percebeu que, daquele modo, não poderia servir a Deus e foi buscar a presença do Senhor, buscar a Sua vontade e, aí, então, descobriu que deveria seguir a Lei, trazer levitas, sacerdotes que, com os varais em seus ombros, conduzissem a arca, assumindo a sua responsabilidade, o esforço que o Senhor requer de cada um que quer segui-lo.
E, ao perceber isto, pôde trazer, com festa realmente espiritual, a arca para Jerusalém.
Que assim também procedamos, que deixemos nossos conceitos, nossas facilidades, nossos parâmetros, que busquemos somente agradar ao Senhor e não às circunstâncias que o mundo nos oferece e, assim, certamente, poderemos fazer um " culto pentecostal" que, ao contrário do de Uzá, dê certo. Amém.


* Evangelista da Igreja Evangélica Assembleia de Deus – Ministério do Belém – sede, responsável pelo Estudo dos Amigos e Professores da Escola Bíblica Dominical e colaborador do Portal Escola Dominical.

2 comentários:

Marcello de Oliveira disse...

Shalom!

Prezado Ev. André, uma alegria conhecer seu blog. O Eterno resplandeça o rosto Dele sobre ti!

Medite em Colossenses 1.9-11

Nele, Pr. Marcello

Um Feliz 2010

Visite>> http://davarelohim.blogspot.com/

e veja o último texto que escrevi neste ano letivo de 2009

O poder da Cruz

Ev. André Moreira disse...

Caro Pr. Marcelo, agradeço por sua participação a "casa" é tua! Esteja conosco sempre...